"Mulheres do Minho"

O Grupo de Cantares "Mulheres do Minho", sediado em Braga, surgiu após um trabalho de pesquisa e de recolha da música cantada pelas lavradeiras minhotas. Este trabalho está relatado no livro "Os Cantares Polifónicos do Baixo Minho" (1997) da autoria de Ana Maria Azevedo. Percebeu-se então que pouco a pouco as verdadeiras intérpretes desta música vocal iam desaparecendo. Como se de um "museu vivo" se tratasse. Assim nasceu este grupo que se constituiu como Associação em 1998 e nesse mesmo ano foi gravado e lançado o 1º CD. Alguns dos elementos do Grupo tiveram contacto directo, na sua infância e mocidade, com estas manifestações musicais. Tentou-se uma aproximação tão grande quanto possível aos modelos ouvidos e gravados. Não se trata, porém, de um acto de pura imitação mas antes de um acto de apropriação com a finalidade de preservar aquilo que no passado foi semente de trabalho e de fruição. Em 2003 surgiu um 2º CD, com cantos religiosos. Acredita-se que estes cantares que, durante séculos, animaram trabalhos e serões, poderão ser recantados e apresentados como uma situação poético-musical que traz em si a marca de uma realidade social e artística. Dentro das tradições musicais do Minho, estes cantos femininos constituídos por polifonias vocais executadas a cappella (sem qualquer acompanhamento instrumental) ocupam um lugar de destaque mas são hoje muito pouco conhecidos.

Atividade:Grupo Cantares

Galardões "A Nossa Terra"

nas redes sociais

Galardões Multimédia



- Francisco Neto (Galardão Artes Tradicionais e Populares) e Domingos Machado - Edição XIV, 2011